Madness

Lembrei que você não viria
Deixei o lençol daquele dia.
O mesmo copo de Whisky,
A marca do batom na parede.
A janela entreaberta
Para a brisa entrar.
Misturar-se com seu cheiro
Com meu medo…
Ainda na almofada
Inalava nosso sexo
Sem nexo
Um tanto complexo.
Pensei no nosso último dia
Das palavras de fúria.
Corpos nus
Ainda obcecados pela luxúria
Intensa e agressiva.
Devoramos a necessidade frívola.

Queria convencer-me do fim
Não tinha mais vontade de mim.
Senti a dor que me levou ao princípio
Sem respeitar seu limite
Enobreci meu egoísmo
Quis minha dor em você…
E a lâmina brilhou tanto quanto seu olhar
O temor proibiu palavras
Sem tempo de pensamentos
Só arrependimentos…
Cortei sua essência
Meu divertimento…
E continua o vermelho maculado no lençol
A cama desfeita
A marca do meu crime no espelho
Na parede, no tapete.
Revelando seu desespero
E toda minha loucura…

12/05/2010

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s