SOB a máscara do EGOCENTRISMO

“ENTRE O PRINCÍPIO DO PRAZER E DA REALIDADE”

Jamais conheci uma mulher como Arícia, preparada para o acaso, sabia como e quando provocar.
Aquela beleza atrevida, de traços marcantes, os olhos acompanhavam o tamanho da boca, grandes e pecaminosos.
De inteligência arrogante e ainda assim conseguia ter bondade mesmo quando era traiçoeira.

Casou-se apaixonada. 
Um casamento contido a excentridades que só o casal compreendia.
Uma cumplicidade de invejar.

Adônis representava a beleza masculina como o herói grego. Despertou o desejo de todas as mulheres e cobiçou algumas delas. 
Na cama da luxúria, deitou-se com suas conquistas e Arícia. Resolvida incitava-se observar o marido acariciando outro seio ou penetrando a intimidade que não sua.
Sem demora unia-se formando o Ménage.

Arícia sabia de outras mulheres mesmo quando não podia estar junto. A necessidade do sexo diversificado não a incomodava. Porque conhecia o poder que exercia sobre Adônis.
Mas sua benevolência exigiu compensação e conseqüentemente a necessidade de suprir alguns desejos.
Desejou muitos homens, eu fui um deles.
Contou-me da paixão pelo marido.
Tornei real sua ambição quando experimentou uma dupla penetração.

Mas o casamento partidário da liberdade não funcionava para ambos os lados. Porque o homem precisa da libertinagem, mas é machista o suficiente para não aceitar que a companheira usufrua da mesma ousadia.
Arícia tendo em consideração a sinceridade no relacionamento, contou ao marido algumas de suas peripécias. Na ingenuidade que o excitaria.
Sucedeu-se a provocação. Mas a reação não foi a esperada.
Adônis revelou seu lado invasivo e intransigente.

Com a mesma paixão a deitou no leito, com o mesmo carinho tocou seus lábios, com a mesma admiração acarinhou seus cabelos. A despiu com o mesmo bel-prazer. E a penetrou com maior veemência.
Não se importou com a frigidez e lividez da pele, o silêncio dos lábios pálidos. Nem com os olhos revolvidos de pânico.
Asfixiou com Arícia seu egocentrismo.

pexels-photo-110321

Originalmente publicado em 28 de outubro de 2015.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s